UNIDADE DOS TRABALHADORES E ESTUDANTES BARRA EBSERH NA UFRJ

EBSERH

Consuni aprova proposta das comissões

 

A mobilização das entidades foi vitoriosa e conseguiu afastar o perigo da Ebserh da UFRJ. Mas a luta pela autonomia universitária e contra a privatização da saúde continua

 

Prevalesceu o bom senso. O que se encaminhava para um confronto de posições extremas no Conselho Universitário (Consuni) – de um lado os que defendiam a Ebserh como saída para a crise dos hospitais, e de outro as entidades representaivas dos segmentos da comunidade contrárias à entrega do patrimônio da UFRJ a gestões privadas – acabou se confluindo para o melhor caminho: o respeito à autonomia.

 

Depois de muito diálogo e da construção de uma proposta de consenso formulada pelas comissões permanentes do colegiado, a sessão do dia 23 de maio aprovou a criação de um grupo de trabalho autônomo para produzir o diagnóstico dos hospitais universitários que irá basear a decisão de soluções para os problemas das unidades de saúde da UFRJ.

 

Todos em alerta geral

Representantes da Fasubra, Sintufrj, Andes-SN, Adufrj, DCE Mário Prata e militantes das frentes estadual e nacional em defesa dos hospitais universitários e contra a privatização da saúde, técnicos-administrativos, docentes e estudantes ocuparam o salão do colegiado, na quintafeira, para acompanhar o debate e a decisão no Consuni.

 

Dezenas de moradores do alojamento também foram ao Consuni naquele dia, pois reivindicavam o remanejamento para um local adequado durante a reforma do atual prédio, e uma audiência pública para discutir essa e outras demandas. Proposta alternativa Já no expediente (meia hora inicial da sessão dedicada a assuntos gerais), o representante discente Julio Anselmo apontou que havia “na mesa” a proposta do melhor caminho: a comissão de cunho técnico que poderia apontar de fato como resolver os problemas dos HUs sem a postura subserviente à proposta do governo.

 

Em seguida, as entidades representativas – Fasubra, Sintufrj, Andes-SN e Adufrj – fizeram a crítica à Ebserh e saudaram a atitude do colegiado em apontar uma iniciativa autônoma. As comissões permanentes do Conselho – Comissão de Legislação e Normas, de Desenvovimento e Ensino e de Títulos, formularam uma proposta, apresentada pelo decano do Centro de Tecnologia Walter Suemitsu: a formação de um grupo técnico para elaboração do diagnóstico dos problemas dos hospitais universitários com prazo de 60 dias para levar seu estudo ao Consuni. Uma comissão do Consuni irá acompanhar o processo.

 

Segundo o decano, esta comissão seria formada por ele e pela professora Maria Fernanda Quintela, ambos da comissão de Desenvolvimento; pelo técnicoadministrativo Nilson Theobald e pelo estudante Thiago França, da Comissão de Legislação e Normas, e pela professora Diana Maul, pela técnica-administrativa Mônica Mauhy e pelo estudante Júlio Anselmo, da Comissão de Ensino e Títulos.

 

Em relação ao grupo técnico, foi proposto um especialista em: direito administrativo; direito contratual; administração hospitalar; sistemas financeiro e de compras; gestão de pessoas; planejamento; saúde e tecnologia; além de um representante da Pró-Reitoria de Pessoal e alguém com conhecimento das necessidades acadêmicas dos HUs.

 

Pela proposta inicial, o grupo técnico apresentaria também sugestões para gestão, mas como esse ponto foi muito questionado, a proposta foi alterada, e a proposição de formas de gestão ficou a cargo do Consuni.

 

Para suprir a falta de representante do Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas (CCJE) na comissão do colegiado, foi sugerida a inclusão da decana Maria Lúcia Werneck. Aprovação por unanimidade A proposta foi aprovada de forma unânime, sem abstenção, com uma grande comemoração do plenário.

 

Logo em seguida foram postos em votação os destaques. Foi aprovado por unanimidade que o resultado seria apresentado improrrogavelmente em 60 dias. Embora não tenha sido votado, há, como garantiu o reitor, acordo de que alguns minutos da pauta das sessões do colegiado serão destinados a informe do andamento da comissão.

 

No final, a atribuição do comitê técnico também ficou definida, acatando- se a solicitação do conselheiro Marcelo Correia e Castro, que não concordou que a comissão apresente proposta de gestão, mas, sim, que ofereça elementos que permitam a elaboração de uma proposta de gestão.

 

Avaliações

O reitor Carlos Levi afirmou que “chegamos a uma proposta que, de alguma maneira, tenta conciliar as posições que vêm se confrontando e com isso a gente ganha capacidade de coesão em cima de uma proposta que possa ter adesão mais ampla, uma sustentação mais firme, e isso interessa à universidade”.

 

O representante do Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Roberto Leher, elogiou: “Avançamos na reflexão de que a universidade deve ter meios autônomos para pensar seus problemas, elaborar seus próprios diagnósticos e decidir seus encaminhamentos futuros.

 

O trabalho da comissão foi bem-sucedido e aponta para uma perspectiva que contempla anseios de todos”. “Vamos sair do maniqueísmo do sim ou não à Ebserh e formar uma comissão de maneira autônoma”, observou o representante técnico-administrativo Nilson Theobald, agora membro da comissão de acompanhamento do Consuni, explicando que o resultado dos trabalhos vai dar condições da UFRj exigir do governo o que for preciso para resolver os problemas. Ele solicitou que daí por diante o colegiado tivesse como ponto de pauta garantido espaço para a comissão colocar os avanços de seus trabalhos.

 

“Acho que hoje é um dia de júbilo para a universidade por uma razão que ainda não foi tocada: estamos num processo de retomada da capacidade de discernirmos, desenharmos e executarmos nossas próprias políticas”, disse o representante do CCJE, Alcino Câmara, afirmando que era o primeiro passo para a UFRJ retomar o caminho “das nossas próprias políticas, das nossas próprias vontades”, e sugerindo a integração na comissão da Ouvidoria da UFRJ, como instrumento de aferição da prestação de serviço.

 

O representante dos estudantes, Júlio Anselmo, se disse emocionado diante daquele importante passo. “Pela primeira vez em alguns anos vejo a universidade se munindo da grandeza da universidade”